Dead until Dark e o efeito Anime

14/05/09 at 22:12 (pessoal) (, , , , )

41vEK07m4jL._SX106_Terminei essa semana de ler Dead Until Dark, da Charlaine Harris. Esse é o primeiro livro da série Southern Vampire Mysteries, e tem uma idéia razoavelmente nova: os Japoneses inventaram um sangue artificial, que para todos os efeitos práticos, é igual ao sangue de verdade. Diante dessa descoberta, e posto que eles não precisariam mais caçar os humanos como única fonte de subsistência, os Vampiros resolvem vir a público, e procurar seu lugar na sociedade moderna. No centro desse cenário se encontram Sookie Stackhouse, garçonete que acha que sua habilidade telepática é uma maldição, pois nunca consegue se livrar do barulho dos pensamentos alheios, e Bill Compton, vampiro que acaba de chegar na pequena cidade de Bon Temps, aonde o livro se passa, e que procura se instaurar como membro da sociedade dos vivos. É um ótimo livro de vampiros, com um quê de policial e suspense.

Uma coisa curiosa, que eu só tinha visto acontecer antes em animes é que a série de TV, True Blood, que se baseia nos livros, criou uma personagem secundária, praticamente tão importante quanto a protagonista, que aparecem em todos os episódios da temporada, com sub-plots inteiramente criadas para a TV. No livro não existe a Tara, nem sua mãe alcóolica abusiva, nem nenhuma das suas histórias com os outros personagens. Outra coisa interessante são sub-plots inteiras criadas na série, talvez por acharem que os 12 capítulos do livro não seriam suficientes para os 20 episódios da primeira temporada.

Não estou dizendo que as alteração da série de TV sejam ruins, até pelo contrário, fiquei impressionado como as histórias e personagens criados para a TV interagem tão bem com o material original do livro. Talvez até pelas próprias mudanças que foram feitas, seja interessante acompanhar tanto o que sai para TV como os livros, que até aonde eu sei é uma série fechada, e ver que rumo cada um toma.

Link permanente Deixe um comentário

Lie To Me

1/02/09 at 1:38 (pessoal) (, )

home_bg

Todo policial tenta criar a sua assinatura, algo que o diferencie dos outros 347 policiais que estão passando na TV. Assim sendo, os produtores de 24 horas e Arrested Development resolveram apostar numa história em que um especialista em linguagem corporal é capaz de dizer se uma pessoa está mentindo ou não, através dos seus trejeitos, ou movimentos do rosto. Esse homem é Cal Leightman, que é contratado pelo FBI para trabalhar em casos que se precisa ter certeza absoluta do que aconteceu.

A série é bem legal, ainda mais com o Tim Roth no papel do homem-polígrafo, e  tem um jogos de câmera interessantes, para mostrar os gestos dos suspeitos que desmentem o que estão tentando vender. Se você gostava de Lei & Ordem Criminal Intent, com certeza vai gostar desse aqui também.

Link permanente Deixe um comentário