Aquilo que o Miller quis chamar de “”Spirit””

5/04/09 at 9:29 (pessoal) (, , )

spiritE devo dizer que talvez duas aspas não sejam o suficiente para encarcerar idéia tão insana fora do mundo aonde as coisas fazem sentido. Eu e uns amigos meus fomos ontem assitir a essa coisa, achando que íamos ver algo da qualidade de Sin City, ou 300. Só que tem um detalhe: Sin City é dirigido pelo Robert Rodriguez e 300 é dirigido pelo Zack Snyder. Profissionais da área, sabem o que estão fazendo. Eu procurei no IMDB, e até aonde eu vi, essa é a primeira obra em que ele escreve e dirige um filme inteiro. Para se ter uma idéia do que é o filme, imagine Sin City, multiplicado por 1000, sem a história, com mais mulheres semi-nuas e monólogos intermináveis, assim, de fazer inveja a qualquer master-mind. Aparentemente o Sr. Miller tomou ácido, teve uma bad trip, vomitou duas vezes, e lá pelo terceiro vômito, achou que a viagem do ácido era interessante. Para vocês não acharem que isso são apenas devaneios de um pessoa mesquinha, veja aqui os “melhores” momentos do filme, levantados pelo meu amigo Caio:

  • Eva Mendes xerocando a própria bunda para deixar uma pista para o Spirit.
  • Samuel L. Jackson / Georges Lafond / Vera Verão, maquiado com sombra metalizada, brincando com um pé humano miniaturizado dotado de uma cabeça humana… ele (o pé) pula, brinca, canta…
  • Vera Verão tem um exército de Oompa Loompas gigantes!
  • Vera Verão, vestido de Afro Samurai, e Scarlet Johanson, de gueixa, discutindo seus planos diabólicos em um cenário do Japão Medieval absolutamente desvinculado da história, enquanto um Oompa Loompa gigante comete harakiri…
  • Spirit é amarrado em uma cadeira de dentista, durante um comício do Partido Nazista, enquanto uma dançarina de dança do ventre vai esquartejá-lo!

Link permanente Deixe um comentário

Neil Gaiman e a distribuição de livros na internet

9/03/09 at 22:20 (pessoal) (, , )

Hoje está sendo realmente um dia inspirado. Depois de ler sobre a NRK, eu finalmente vi um trecho de uma entrevista com Neil Gaiman na FLIP do ano passado. E ele responde ao que ele acha dos quadrinhos escritos por ele serem distribuídos de graça pela internet, e ele diz: seria melhor que os trabalhos fossem distribuídos de forma lícita, mas é melhor que sejam distribuídos da forma atual, do que de maneira alguma.

O Inimgo não é ler livros de graça, ou ler na Internet de graça. Na minha perspectiva, o Inimigo é quem não permite que as pessoas leiam. Quem lê, faz parte da minha tribo.

Link permanente Deixe um comentário

Lanfeust e Promethea

13/11/08 at 22:19 (pessoal) (, , )

lanfeust_capaDois títulos muito interessantes, embora bem diferentes entre si. Lanfeust é uma tradução da Devir de uma série francesa de fantasia aonde todas as pessoas têm poderes mágicos, e uma espécie muito rara de marfim pode conceder poderes ainda maiores ao protagonista da série. A história e o traço,  característicamente europeu, me deram uma impressão muito parecida dos primeiros volumes que eu li do Asterix, como se estivesse sendo apresentado a personagens capazes de aventuras tão interessantes quanto a dos gauleses. O Marfim do Magohamoth, primeiro de 8 volumes, nos apresenta ao mundo de Troy e seu habitantes. Eu gostei muito, apesar de ser só o primeiro volume, só falta saber se a Devir pretende traduzir o resto.

pixel_promethea_livro1Promethea, por outro lado, eu comprei unica e exclusivamente porque foi escrito pelo Alan Moore. Simples assim, sempre que eu vejo algo dele, eu compro e não tenho me arrependido até hoje (com exceção de Lost Girls). Essa mini-serie conta a historia de Sophie Bangs, estudante de faculdade em uma 1999 futurista que descobre que seu objeto de estudo, uma mistura de mitos, folclore e lendas urbanas existe e tem o poder de transformar certas pessoas em Promethea, a encarnação da imaginação humana, e para não ficar lisérgico demais elas chuta umas bundas de vez em quando. Uma ótima história, como só Moore consegue bolar, mas dependemos da Pixel para lançar os 4 volumes faltantes para fechar a história.

Link permanente Deixe um comentário

Ex Machina

7/11/08 at 18:06 (pessoal) ()

250px-ex_machina_the_first_hundred_daysFaça uma conta rápida: quantos superherois ou super grupos existem em nova york? Homem-aranha, Demolidor, os vingadores, os x-men, o justiceiro. No entanto, nenhum deles foi julgado capaz pelos editores da Marvel para salvar as torres gemeas do WTC. O que causa um sério furo na verosemelhança dos personagens. Como que a Rainha Branca não controlou a mente dos terroristas? Como a porcaria da SHIELD com o homem de ferro e tudo mais não conseguiram deter dois aviões meia-boca? A única resposta dada foi “ninguém pensou que isso ia acontecer”. Para pessoas normais, é um ótimo argumento, mas para quem lê mentes ou tem robos a sua disposicao é uma desculpa.
Talvez pensando por esse ângulo, Brian K. Vaughan resolve criar um personagem que consegue falar com qualquer máquina e resolve dar uma de super-herói. Único que resolve assumir a profissão nesse universo, resolve depois de um ano salvando pessoas de incêndios e coisas afim. Mas o seu maior feito foi ter salvo a torre sul do WTC. Depois dessa fama imediata, resolve que pode ajudar muito mais se fosse prefeito da cidade.  O personagem nos leva à todos os problemas que o cargo traz, mas também levanta ótimas discussões como liberdade de expressão para obras de arte subsidiadas pelo governo e o casamento gay. Ótima sugestão para quem quer escapar um pouco dos saturados mundos Marvel e DC. Os dois primeiros encadernados, Estado de Emergência e Símbolo estão à venda na Comix.

Link permanente Deixe um comentário

Fell

22/10/08 at 20:58 (pessoal) ()

Fruto de minha incursão à última fest-comix, veio esta obra de Warren Ellis e Bill Templesmith. O detetive Fell é transferido para Snowtown, uma cidade que faz Sin City parecer calma e pacata. Obrigatório para quem gosta de histórias policiais e de um ambiente gótico de fazer inveja.

Link permanente Deixe um comentário

Randall Munroe “Pulled a Palin”

19/10/08 at 13:18 (pessoal) (, , )

Estava lendo esse artigo que mostra um desafio de cartuns entre Farley Katz do New Yorker e Randall Munroe, criador do fabuloso XKCD. O desafio constava entre cada um dos dois fazer uma tira sobre um tema pré-definido. Quando o tema foi “O seu animal favorito comendo a sua comida favorita”, na qual Munroe desenha a tira abaixo:

Simplesmente genial. E uma ótima expressão, espero que comece a ser usada.

Link permanente Deixe um comentário

Legado das Estrelas

21/09/08 at 14:04 (pessoal) (, )

Também conhecido por “Como aquela merda de Smallville poderia ter sido uma das melhores séries de super-herói, mas não foi”. A mini-série O legado das estrelas, em inglês Birthright, que diga-se de passagem é título muito mais forte do que a versão traduzida, reconta a origem do Azulão, dando um caráter muito mais humano ao personagem, explicando um pouco porque ele resolveu vestir a cueca por cima da calça, e se transformar no herói com o S no peito.

Com roteiro do fabuloso Mark Waid, e desenhos de Leinil Yu, essa nova origem traz alguns elementos da série para a origem do herói nos quadrinhos, mas apenas as coisas boas. Clark conhece Lex em Smallville, e eles tinham uma certa amizade, considerando que ambos eram párias na cidade. Os pais de Kent são bem parecidos com os do seriado, e tem a mesma faixa etária. Como bonus, temos Lana Lang como a garota fútil que todos nós queríamos matar, mas que é ruiva, ao invés da versão da tv. Claro que isso deve ser uma interpretação minha, além do mais porque ela só aparece umas duas vezes no comecinho da história. Outro ponto muito bom é mostrar um momento das viagens de Clark pelo mundo, antes de decidir vestir a farda de super-herói.

Apesar de concordar completamente com esse artigo que mostra categoricamente como é impossível fazer uma história a longo prazo de alguém super-poderoso com o super-homem, eu acho que Waid e Yu fizeram um trabalho excelente em recontar uma história que todos nós conhecemos e que vale a pena ser lida. Se a série tivesse sido feita nesses moldes, tavez tivéssemos 2 ou 3 (no máximo) temporadas de uma hitória genial, ao invés de oito insuportáveis enrolações de Dawsons Creek com super poderes que é o desperdício de tempo, espaço e dinheiro que chamam de Smallville.

Link permanente 1 Comentário

Compras recentes

16/08/08 at 12:24 (pessoal) ()

Predadores 1

Minha última incursão à Comix me trouxe uma ótima supresa: a mini-série europeia Predadores de Jean Dufaux e Enrico Marini. Com desenhos maravilhosos, traz uma nova visão sobre a lenda dos Vampiros. A série já está no volume 2, e espero que a metade restante sai em breve. Qualquer um que gosta do gênero não vai se arrepender.

Outras aquisições foram:

volume 13 de Death Note, que traz detalhes sobre a série, personagens e uma entrevista com o autor do mangá, eu comprei mais para ter a coleção completa do que qualquer outra coisa :P
Passeando com o Rei dos Sonhos, uma entrevista com Neil Gaiman e seus “colaboradores”, que eu pretendo ler em breve. Eu dei uma folheada e parece beem interessante, e tem uma pergunta ali no meio sobre Os Livros da Magia, quem sabe conseguem tirar alguma coisa sobre toda aquela história do Harry Potter.

Link permanente Deixe um comentário